Política
13/07/2017 - 09h57

Juiz Sérgio Moro condena Lula a nove anos e seis meses de prisão


Ministério Público apontou o ex-presidente como chefe do esquema de corrupção na Petrobrás
 
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi condenado, nesta quarta-feira (12/7), pelo juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, a nove anos e meio de prisão no processo que investiga o caso do tríplex no Guarujá (SP). Lula, no entanto, não deve começar a cumprir a prisão imediatamente, podendo recorrer em liberdade.
 
 
Esta é a primeira vez, desde a promulgação da Constituição Federal de 1988, que um ex-presidente é condenado criminalmente. Moro condenou Lula a seis anos de prisão pelo crime de corrupção e mais três anos e meio por lavagem de dinheiro, pela ocultação da propriedade do apartamento do Guarujá.
 
Na sentença, Moro rebate as acusações da defesa de que foi um juiz imparcial e apresenta um resumo do processo e suas justificativas para a condenação em 238 páginas. No fim da sentença, Moro afirma que, devido às tentativas de Lula e de sua defesa de desqualificá-lo, usando "táticas de intimidação", até poderia "cogitar a decretação da prisão preventiva do ex-presidente". 
 
"Entretanto, considerando que a prisão cautelar de um ex-Presidente da República não deixa de envolver certos traumas, a prudência recomenda que se aguarde o julgamento pela Corte de Apelação antes de se extrair as consequências próprias da condenação. Assim, poderá o ex-Presidente Luiz apresentar a sua apelação em liberdade", afirma Moro.
 
O juiz federal também determinou que Lula e o dono da empreiteira OAS, Leo Pinheiro, sejam "interditados" para o exercício de cargos ou funções públicas, o que gerou dúvidas sobre uma possível candidatura de Lula nas próximas eleições. Para o cientista político Thiago Aragão, da Arko Advice, a decisão de Moro não impede Lula de concorrer, pois, de acordo com a Lei da Ficha Limpa, "somente se condenado em segunda instância (por um colegiado) Lula se tornaria inelegível". A decisão de Moro, contudo, pode impedir Lula de assumir um cargo político caso eleito. 
 
"Sem satisfação pessoal"
 
Segundo Moro, a sentença "não traz qualquer satisfação pessoal". "Registre-se que a presente condenação não traz a este julgador qualquer satisfação pessoal, pelo contrário. É de todo lamentável que um ex-presidente da República seja condenado criminalmente, mas a causa disso são os crimes por ele praticados e a culpa não é da regular aplicação da lei. Prevalece, enfim, o ditado 'não importa o quão alto você esteja, a lei ainda está acima de você' (uma adaptação livre de 'be you never so high the law is above you')", afirmou Moro.
 
A investigação ocorreu no âmbito da operação Lava-Jato e apontou que Lula recebeu propina da OAS no valor de R$ 3,7 milhões por meio de um apartamento tríplex no Guarujá, em São Paulo. Na denuncia, o Ministério Público apontou Lula como o chefe de um esquema de corrupção que desviou dinheiro da Petrobras. Em depoimento, o ex-presidente negou todas as acusações e afirmou que é perseguido pelo Judiciário. Para Moro, no entanto, "o condenado ocultou e dissimulou vantagem indevida recebida em decorrência do cargo de Presidente da República, ou seja, de mandatário maior". "A culpabilidade é elevada", acrescentou.
 
O Palácio do Planalto afirmou que não vai comentar a condenação de Lula.
 
Acervo presidencial 
 
No mesmo processo, o juiz absolveu o réu das acusações de lavagem de dinheiro e corrupção por ele ter armazenado um acervo presidencial quando deixou o Palácio do Planalto. Na denúncia do Ministério Público, os promotores alegavam que o local onde os objetos foram deixados pertencia a uma transportadora da OAS. No entanto, Sérgio Moro entendeu que não existem provas suficientes para caracterizar crime, nesta acusação. 
 
Bolsa de Valores
 
Em menos de 15 minutos, a Bolsa de Valores (B3) subiu mais de 700 pontos após o anúncio da condenação por corrupção e lavagem de dinheiro do ex-presidente Lula. O pregão vinha subindo 0,6% às 13h57 e acelerou para 1,14% com a sentença do juiz Sérgio Moro, da Lava-Jato. 
 
A Ibovespa estava em 63.871 pontos e, em 13 minutos, subiu para 64.586. A condenação deixa Lula mais longe do cargo de presidente, em 2018. Agora (14h40) a bolsa sobe 0,25%, cotada a 63.988 pontos.
 
 
Correio Braziliense
 

Comentários (0)


Fala Santos
E-mail: contato@falasantos.com.br
© 2010 Fala Santos. Todos os direitos reservados. site criado por