Judiciário
09/02/2018 - 05h08

Justiça de São Paulo proíbe desfile do bloco Porão do Dops


Na semana passada a Justiça negou liminar do Ministério Público que impedia o bloco de fazer apologia à tortura
 
A Justiça de São Paulo proibiu na quinta-feira 8 a saída do bloco "Porão do Dops, acusado de fazer apologia à tortura.
 
De acordo com a decisão do tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, fica determinado que os réus "se abstenham de utilizar expressões, símbolos e fotografias que possam ser claramente entendidas como "apologia ao crime de tortura" ou a quaisquer outros ilícitos penais, seja através das redes sociais, seja mediante desfile ou manifestação em local público, notadamente através do Bloco Carnavalesco "Porão do Dops"."
 
A decisão de hoje questiona se o bloco obteve as permissões necessárias para que desfile na capital paulista. "Se o propalado bloco carnavalesco não efetivou sua inscrição perante a municipalidade de São Paulo para obter a aprovação da comissão competente acerca das regras impostas não poderá desfilar em área ou via pública". Em caso de descumprimento, a Justiça determina multa diária de 50 mil reais.
 
Ariel de Castro Alves, representante do Grupo Tortura Nunca Mais, afirmou que a decisão é muito importante e emblemática, pois "reconhece que iniciativas de apoio e exaltação ao regime militar e aos seus torturadores e assassinados configuram apologia à prática de crimes, que afrontam as vítimas e seus familiares".
 
Na última semana, a juíza Daniela Pazzeto Meneghine Conceição, da 39ª Vara Cível, negou um pedido de liminar do Ministério Público de São Paulo que tentava impedir que o bloco faça apologia à tortura com homenagens a nomes como o do coronel Ustra e do delegado Sérgio Fleury.
 
Segundo a juíza que permitiu a saída do bloco, ela só poderia interferir se o evento tivesse representações nazistas, e disse que qualquer proibição seria censura prévia. O MP apelou contra a decisão.
 
A decisão provocou reação de entidades de direitos humanos. Em nota, o Comitê Paulista pela Memória, Verdade e Justiça, integrado por ex-presos políticos e ativistas, considera a decisão da magistrada um desrespeito à memória das vítimas “que tombaram nas masmorras da ditadura”, além de apontar uma agressão ao Estado democrático de Direito e um estímulo à disseminação do ódio.
 
“Não bastasse”, pontua a nota, “a juíza em seu veredito ao negar a liminar que impede o desfile, ainda demonstrou ignorância ou má-fé. Diz ela que as pessoas enaltecidas pelo bloco Porão do Dops ‘sequer foram reconhecidas judicialmente como autores de crimes perpetrados durante o regime ditatorial’”. Dois dos "patronos" do bloco são os falecidos delegado Sérgio Paranhos Fleury e coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, reconhecidos chefes da máquina de repressão da ditadura.
 
O despacho da magistrada a favor do bloco, criado por um movimento autodenominado “Direita São Paulo” veio a público na noite da sexta-feira 2.  Na decisão, Conceição anotou: “A nomeação do bloco  por si só não configura exaltação à época de exceção ou das pessoas lá indicadas que, sequer, foram reconhecidas judicialmente como autores de crimes perpetrados durante o regime ditatorial, em razão da posterior promulgação da Lei da Anistia (que teve como finalidade buscar a paz social, a segurança jurídica e o convívio plural entre os iguais), a qual posteriormente foi declarada constitucional pelo Supremo Tribunal Federal, para reconhecer sua aplicação não apenas aos opositores ao regime da época, como também aos opressores".


Carta Capital
 

Comentários (0)


Fala Santos
E-mail: contato@falasantos.com.br
© 2010 Fala Santos. Todos os direitos reservados. site criado por