Sindical
11/06/2018 - 05h09

Centrais se movem no tabuleiro da 1ª eleição sem imposto sindical


Recursos estão concentrados em dirigentes. Força Sindical tentará se dissociar de Temer. UGT se divide entre Doria e França em SP. CUT aguarda decisão do PT.


 
A 1ª campanha eleitoral nacional sem financiamento de empresas será também a 1ª sem que o movimento sindical tenha o dinheiro do imposto sindical. Tal como os partidos, os sindicatos também entram no jogo eleitoral de 2018 desnorteados.
 
Os laços entre partidos e dirigentes de sindicatos tornam a análise ainda mais complexa nesse terreno de duplo ineditismo, dado que os recursos para bancar campanhas estão mais do que nunca concentrados nos líderes partidários. E muitos deles são, também, sindicalistas.
 
Movimentos importantes ocorreram nas últimas semanas nesse tabuleiro. Para antecipar como cada uma dessas peças nesse intricado jogo entre partidos e sindicatos se moverá a partir de agora é preciso entender o que elas fizeram até aqui. Vamos por partes:
 
À centro-direita: Força e UGT
 
A Força Sindical, que sempre teve um posicionamento em nível nacional e estadual (São Paulo) muito próximo ao do PSDB, ainda que com uma oposição interna liderada por PDT e até pelo PT, agora se transformou na central do partido Solidariedade.
 
O presidente nacional do partido e deputado federal Paulo Pereira da Silva (SD-SP), cuja alcunha remete à central que ele preside desde 1999 (“Paulinho da Força”), recebeu, em 16 de abril, as fichas de filiação ao Solidariedade de 2 dirigentes importantes da Força –o secretário-geral e metalúrgico João Carlos Gonçalves, o Juruna, e o primeiro-secretário, Sergio Luiz Leite, líder da Federação dos Químicos em São Paulo.
 
Juruna e Leite até então militavam no PDT e eram figuras frequentes em reuniões políticas com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na sede do Instituto Lula nos últimos 3 anos –além de terem lutado contra o impeachment de Dilma Rousseff, cuja reeleição em 2014 eles apoiaram.
 
Ao ingressarem na sigla na mesma cerimônia que lançou o ex-presidente da Câmara Aldo Rebelo como pré-candidato presidencial pelo Solidariedade, Juruna e Leite demonstraram claro desconforto no palco no momento em que o deputado Wladimir Costa (SD-PA), famoso pela tatuagem de henna com o rosto de Michel Temer, lembrou a atuação do novo partido dos ex-pedetistas em favor do impeachment de 2016.
 
Além do presidente (Paulinho), do secretário-geral (Juruna) e do primeiro-secretário (Leite), a Força tem também dirigentes importantes filiados ao Solidariedade, como Cláudio Prado, do poderoso Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, e Melquíades Araújo, prefeito de Jacutinga (MG) e líder da Federação de Trabalhadores na Indústria de Alimentação de SP. Eles militavam no PDT e no PSDB, respectivamente.
 
O PSDB continua tendo participação relevante na Força Sindical, mas em tamanho diminuto. Depois de perder Araújo, o partido ainda mantém em seus quadros o presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Construção Civil de São Paulo, Antônio Ramalho.
 
Mas se antes os tucanos faziam parte de 1/3 do poder interno, agora ocupam na Força o mesmo espaço do partido de Lula –o PT é representado na direção da Força por Jorginho Nazareno, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco, berço da 1ª greve contra o regime militar. Tucanos e petistas são minoria numa central cujo pêndulo se moveu todo para o Solidariedade.
 
A missão do partido e da Força Sindical como um todo será dissociar a sua imagem daquela do governo Michel Temer, por quem o Solidariedade brigou tanto para colocar na presidência. Temer foi o presidente responsável pela reforma trabalhista que “acabou com a CLT”, segundo repetem 10 entre 10 sindicalistas de todas as vertentes, e que, também, acabou com o recolhimento obrigatório de imposto sindical, fazendo secar da noite para o dia o caixa do movimento sindical.
 
Em 2017, as centrais repartiram entre si um butim de R$ 200 milhões com a contribuição obrigatória recolhida de todos os trabalhadores com carteira assinada no Brasil. Em 2018 a entrada de dinheiro caiu a zero, com exceções pontuais por decisões judiciais.
 
Rivalizando com a Força em tamanho na disputa pelo 2º lugar (atrás da CUT) entre as maiores organizações sindicais do país está a União Geral dos Trabalhadores (UGT).
 
A UGT, que nasceu de um racha da Força Sindical em 2007, agrega em suas lideranças uma verdadeira sopa de letrinhas: do PSD de Gilberto Kassab ao PSB de Márcio França, passando pelo PTB de Roberto Jefferson e o PR de Valdemar Costa Neto. Mais que no campo nacional, é em São Paulo onde as divisões partidárias da UGT podem levar a uma disposição curiosa nas eleições deste ano.
 
Isso porque seu presidente e fundador, Ricardo Patah, líder do Sindicato dos Comerciários de São Paulo, é filiado ao PSD, um dos poucos partidos já afinados pela eleição de João Doria (PSDB) ao governo de São Paulo. Enquanto isso, todos os principais dirigentes da UGT estão em partidos que já selaram aliança com Márcio França (PSB), que governa o Estado desde 7 de abril, quando Geraldo Alckmin se desincompatibilizou.
 
Esse arranjo pode ganhar contornos mais complexos caso se viabilize um plano em gestação no PSD nacional e em algumas cabeças da elite tucana paulistana, de colocar Patah, um assíduo convidado do Instituto Fernando Henrique Cardoso, como vice de Doria. A chapa já ganhou até um apelido, “Doria-Patah, capital e trabalho”, que também remete ao slogan da curtíssima prefeitura de Doria (“Trabalho, trabalho e trabalho”).
 
Além de Patah, na UGT estão dirigentes sindicais com participações importantes na política partidária, como Chiquinho Pereira, presidente do Sindicato dos Padeiros de São Paulo e integrante da direção do PTB; o deputado federal Roberto Santiago, que trocou o PSD pelo PSB de Márcio França; e Luiz Motta, agora filiado ao PR. Tal como Patah, Motta também fora tesoureiro da Força Sindical antes de partir para a UGT, levando consigo a Federação dos Comerciários de São Paulo (representando 68 sindicatos e que abocanhava R$ 4 milhões em imposto sindical).
 
A UGT se dividiu em 2014, mas o apoio a Dilma preponderou, enquanto a Força, também dividida, pendeu mais para Aécio Neves.
 
À centro-esquerda: CSB
 
Contra a reforma trabalhista e contra Temer continua o PDT, partido que lançará Ciro Gomes para a Presidência.
 
Agora sem os sindicalistas da Força, o PDT conta como seu expoente maior o sindicalista Antônio Neto, presidente do Sindpd (Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados) de São Paulo e, mais importante, líder da CSB (Central de Sindicatos do Brasil). Recém-filiado, Neto virou também o presidente do diretório paulista do partido comandado nacionalmente por Carlos Lupi, que foi ministro do Trabalho sob Lula e Dilma Rousseff.
 
Até o ano passado, o sindicalista militava no PMDB, onde também fazia parte da direção nacional. Mas seus laços com o PDT vêm de 2014 e 2015, quando o secretário-geral do partido, Manoel Dias, foi ministro do Trabalho de Dilma e numa decisão monocrática autorizou o repasse de cerca de R$ 15 milhões em imposto sindical para a CSB.
 
Pouco depois da sanção da reforma trabalhista que extinguiu o imposto sindical obrigatório no ano passado, Neto deixou o PMDB e migrou para o PDT.
 
À esquerda: CUT e CTB
 
Chegamos, então, no PC do B, que conta com seu braço sindical, a CTB (Central de Trabalhadores do Brasil). A central, criada em 2007 de uma divisão da CUT, conta também com núcleos filiados ao PSB, mas isso não constituiu um problema na 1ª eleição geral depois de sua fundação, dado que em 2010 ambos PC do B e PSB apoiaram Dilma Rousseff para presidente. Mas em 2014 houve divisão, já que o presidente nacional dos socialistas, Eduardo Campos, competia com Dilma pela presidência.
 
Como dizia o vice dos socialistas, Roberto Amaral, “se o PSB tem um calcanhar de Aquiles, com certeza é o movimento sindical. O partido tem entrada na direção da CTB, com Joílson Cardoso, mas o comando é do PC do B. A CTB faz parte de todas as manifestações ao lado da CUT, o braço sindical do PT.
 
Originalmente contrária ao imposto sindical, a CUT fez parte do acordo com o então presidente Lula, em 2008, que permitiu o repasse por meio de lei, de 10% do total arrecadado com o imposto às centrais. Entre 1943, quando foi criado, e 2008, o imposto sindical não chegava para as centrais, mas sim aos sindicatos (60%), federações (10%) e confederações (10%), com o restante (20%) ficando no caixa do Ministério do Trabalho. A partir de 2008, o governo abriu mão de metade do que lhe era reservado transferido para as centrais, distribuindo de acordo com o tamanho de cada uma, medido pela quantidade de trabalhadores por elas representados.
 
Por ser a maior central, a CUT foi a que mais recebeu os recursos compulsórios. A central, no entanto, avalia ser a que menos sentiu o baque do fim do imposto sindical por deter sindicatos com elevado grau de filiação, como o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC.
 
A CUT aguarda uma decisão do PT sobre como se posicionar em 2018. A rigor, a central continua defendendo a candidatura de Lula e assim continuará até que um novo direcionamento seja dado.
 
A definição das candidaturas está prestes a ocorrer. Antes disso, uma importante voz do movimento sindical brasileiro, Clemente Ganz, coordenador do Dieese, tenta organizar um documento conjunto das centrais –para além das divisões internas– para ser apresentado a todos os candidatos, em 8 de junho.


Poder 360
 

Comentários (0)


Fala Santos
E-mail: contato@falasantos.com.br
© 2010 Fala Santos. Todos os direitos reservados. site criado por