Política
01/10/2018 - 03h52

Clima de eleições leva desavença entre amigos e famílias


Em uma eleição marcada por atos violentos, desavenças entre amigos, parentes e colegas de trabalho pode aumentar após o posicionamento político ser revelado
 
Na mesa do happy hour um assunto colocou água no chope das amigas: a eleição presidencial. Unidas em torno do candidato João Amoêdo (Novo), elas evitam comentar o destino dos seus respectivos votos em um eventual segundo turno. “No bar, tentamos não tocar no assunto. Já tem muita discussão no trabalho, na família, no grupo do WhatsApp…”, diz a bancária Tayna Moraes, de 21 anos. 
 
“Essa é uma consequência séria do ambiente eleitoral. Os núcleos familiares e relações de amizade são os primeiros a se romper em situações de polarização acirrada”, diz Broide. “Como o debate político não está no cotidiano das pessoas é comum que a posição ideológica de quem está ao nosso lado nos surpreenda e cause repulsa. A convivência com quem pensa diferente, na intimidade, é muito difícil”, afirma o psicanalista Jorge Broide.
 
É raro encontrar alguém que não tenha uma história de desavença para contar. Na família da pesquisadora Beatrys Fernandes, de 26 anos, a discussão ganhou caráter religioso. De família mórmon, ela viu o pai e o tio brigarem de forma acalorada. “Um dizia que aquilo que um candidato defendia não estava nas escrituras. O outro afirmava que o que o candidato dizia não feria a religião deles”, diz.
 
A socióloga S.F. (que pediu para não ter o nome publicado) afirma que se assustou com o comportamento de um amigo que “mandava memes defendendo a direita e querendo brigar durante a própria lua de mel”. “Na lua de mel!”, repetiu. 
 
O especialista em relações internacionais Andrey Pereira Brito, de 28 anos, diz que uma amiga o convidou para ser padrinho de seu filho porque trocou xingamentos com o original por motivos eleitorais. “Ela não queria que a filha tivesse um padrinho que vota em determinado candidato.”
 
Justiça
 
A repulsa em relação ao posicionamento político do outro pode render mais do que uma cara feia. O advogado Felipe Mendonça, de 40 anos, atende a dois clientes que estão processando agressores virtuais. “Não pode tudo nas redes. Não pode racismo, não pode xenofobia. Tenho dois clientes que foram agredidos moralmente por demonstrarem apoio a determinado candidato”, afirma. 
 
“Com as redes sociais, ampliou-se em nossa sociedade uma relação de troca de favores – quando você curte um post de alguém você está fomentando essa troca de favores. E se a outra pessoa não corresponde à sua visão de mundo, ao seu candidato, você reage com violência, como se tivesse sido traído”, observa o filósofo Roberto Romano, da Unicamp. 
 
“O Brasil é um País com uma sociabilidade violenta. Nós sempre tivemos potencial para um tipo de discurso de ódio. Agora, nessa eleição, politizaram esse discurso”, diz a cientista política Esther Solano (Unifesp), organizadora do livro Ódio Como Política.
 
Alheio às teorias sobre política, o garçom Pedro Paulo Chicarelli, de 38 anos, afirma estar preparado para intervir em caso de descontrole. “Felizmente, ainda não precisei me meter”, diz. Mas, quando todo mundo vai embora, Chicarelli e outros garçons levantam as mesas, começam a recolher as garrafas e… “Vixeee, a briga aqui é séria.”
 
 
O Estado de S. Paulo
 

Comentários (0)


Fala Santos
E-mail: contato@falasantos.com.br
© 2010 Fala Santos. Todos os direitos reservados. site criado por