Culinária e Gastronomia
23/10/2018 - 10h58

Cervejas gringas desaparecidas voltam às prateleiras brasileiras


Anderson Valley, Pilsner Urquell e Six Point voltam ao Brasil pelas mãos da Beertopia, recém-lançada por Renato Lima e David Ivy
 
Uma nova leva de notícias cervejeiras tira da lista de desaparecidas das prateleiras brasileiras três grandes nomes: Anderson Valley, Pilsner Urquell e Six Point.
 
A volta de Anderson Valley e a Pilsner Urquell marcam a criação de uma nova importadora, a  Beertopia, recém-fundada por Renato Lima e David Ivy, ambos ex-Uniland.
 
A Anderson Valley, grande nome da cena cervejeira americana, foi a primeira marca gringa trazida pela Tarantino, em 2009. Você deve se lembrar das latas com o urso com chifres de alce de onde saem cervejas potentes, bem ao estilo americano.  Pois bem, estão de volta, em lata e barril, a Boont Amber Ale (leia mais abaixo), a Hop Ottin’ IPA e a Heelch o’Hops Double IPA. Vêm também duas goses, a Briney Melon e a Framboise Rose. E tem mais, só em barril chegam rótulos para ficar de olho. Os três são da Anderson Valley Wild Turkey Barl Series, parceria entre a cervejaria e a destilaria de bourbon. A Wild Turkey Bourbon Barrel Stout é uma stout maturada por três meses em barril de carvalho da Wild Turkey. A Wild Turkey Old Fashioned é uma brown ale com casca de laranja, envelhecida em barril de carvalho com adição de bitters aromáticos. E a Salted Caramel Porter é uma porter doce com adição de sal e também envelhecida em barris.
 
Para falar primeiro dos rótulos americanos, a Six Point já está nas prateleiras dos grandes empórios cervejeiros. Voltam ao país rótulos incríveis, como a The Crisp (pilsner, leia mais abaixo), e a Resin, uma double IPA que vale como um curso do que são notas de pinho ou resina na cerveja. Chegam pela primeira vez a helles Alpenflow, a Righteous Ale Barrel Aged (cerveja de centeio envelhecida em barril de carvalho de rye e bourbon) e a session IPA Lo-Res. Completam a lista a Sweet Action (uma belgian golden), a Bengali (american IPA) e a Jammer (gose). Os rótulos da cervejaria nova-iorquina estavam sumidos desde 2015, quando a marca parou de ser importada depois do fechamento da Lorch. Agora volta pela Multibeer.
 
Já a Pilsner Urquell é representante dos clássicos. Ícone que marca o nascimento do estilo mais conhecido do mundo (pilsner), a cerveja produzida em Pilsen, na República Tcheca, volta para o Brasil em garrafa e barril.
 
A estimativa é de que tanto as Anderson Valley como as Pilsner Urquell  comecem a chegar ao mercado em novembro – os contêineres aportam ao longo da próxima semana.
 
Six Point The Crisp
R$ 24 (473 ml, no Empório Alto dos Pinheiros)
 
Uma pilsner brilhante, limpa, aromática e fácil de beber (parece que o copo – e o bolso – está furado). As notas florais, típicas dos lúpulos alemães, pulam na cara. São evidentes, mas delicadas. É uma cerveja refrescante e elegante.
 
 
Boont Amber Ale
Sem preço definido
 
Essa amber ale equilibra as notas de caramelo que vêm do malte e uma coleção de aromas terrosos e herbais do lúpulo. É uma cerveja com cara de fim de tarde, notas de toffee, mas fim de gole refrescante e limpo. Que bom que vai voltar a ter no Brasil!
 
 
Pilsner Urquell
Sem preço definido
 
Ela é “A” pilsen, a primeira cerveja dourada, limpa e cristalina produzida no mundo e que virou a definição de cerveja por anos e anos (até que, felizmente, o resgate de outros estilos começou a ganhar força com a Revolução Cervejeira). A combinação do delicado floral com notas de biscoito e pão fazem dela uma cerveja leve, boa companhia para conversas longas. Se encontrar servida em barril, peça um copo.

 
 
Paladar
 

Comentários (0)


Fala Santos
E-mail: contato@falasantos.com.br
© 2010 Fala Santos. Todos os direitos reservados. site criado por