Saúde
06/11/2018 - 01h44

Saúde inicia plano contra doenças transmitidas pelo Aedes


O Departamento de Vigilância em Saúde já começou a redigir o Plano de Prevenção e Combate às Arboviroses de 2019. Trata-se de um planejamento sobre como será realizado o atendimento aos pacientes com dengue, zika, chikungunya e febre amarela; as ações de prevenção; as medidas de comunicação e mídia; os treinamentos voltados às redes pública e particular de saúde, entre outros aspectos.
 
“Discriminamos passo a passo tudo o que vamos fazer, inclusive contratação de serviços, aquisição de insumos, realização de forças-tarefas, mutirões, ações da equipe educativa, a rede laboratorial. O plano é importante para direcionar nossas ações e mensalmente passa por revisões para se adequar à realidade que se apresenta”, informa Ana Paula Valeiras, chefe do Departamento de Vigilância em Saúde.
 
A expectativa é de que o documento esteja pronto, apresentado à Secretaria de Estado da Saúde e aprovado pelo Conselho Municipal de Saúde em dezembro.
 
TIPO 2
 
Na cidade de São Paulo, o vírus tipo 2 da dengue circulou neste ano, diferentemente de Santos, cujo último registro é de 2010. A proximidade geográfica preocupa, uma vez que, se voltar a Santos, o sorotipo 2 poderá atingir muitas pessoas que não tiveram contato com ele e aumentar as chances do aparecimento de casos de dengue com complicações, já que estudos indicam se tratar de um vírus mais agressivo.
 
Desde 2012, circulam apenas os vírus 1 e 4 da dengue na Cidade e a população que se infectou por eles está imunizada, não podendo ser infectada novamente por esses sorotipos – o que ajuda a explicar a tendência de queda de casos nos últimos anos.
 
“Estamos sempre alertas para os vírus em circulação, a incidência dos casos e a quantidade de mosquito. São dados que cruzamos para fazer uma expectativa para o que possa acontecer. Estamos em um momento crucial para traçar as estratégias, já que as temperaturas e chuvas começam a aumentar, bem como a proliferação de mosquito Aedes aegypti. Não podemos prever se haverá epidemia, mas temos a consciência de que os vírus estão em circulação”, destaca Dalton Pereira Fonseca Jr, superintendente de Controle de Endemias do Estado de São Paulo.
 
Casos em Santos
 
Dengue
 
2016 – 1.234
 
2017 – 51
 
2018 – 33
 
Chikungunya
 
2016 – 28
 
2017 – 16
 
2018 – 8
 
Zika
 
2016 – 7
 
2017 – 1
 
2018 – Nenhum
 
Febre amarela
 
Nenhum caso
 
 
Da Redação
 

Comentários (0)


Fala Santos
E-mail: contato@falasantos.com.br
© 2010 Fala Santos. Todos os direitos reservados. site criado por