Saúde
07/01/2019 - 05h30

O Brasil é um país de gordinhos, escreve Hamilton Carvalho


Problema é o consumo de lixo alimentício. Não é algo individual, como a obesidade. O excesso de peso é apenas um sintoma. Leia o artigo de Hamilton Carvalho
 
O melhor conselho que eu recebi na minha carreira acadêmica veio do professor de sistemas complexos da faculdade de engenharia da USP, Joaquim Rocha dos Santos. Procure sempre definir bem o problema que se quer enfrentar.
 
Parece um conselho simples, mas não é: como apontado recentemente por um professor do MIT na revista de negócios daquela instituição, trata-se da habilidade mais importante e, ao mesmo tempo, a menos valorizada no mundo da gestão.
 
É muito comum que os diversos problemas que afligem as organizações e as sociedades, mal definidos, sejam meros sintomas de causas mal compreendidas. Já tratamos neste espaço de um exemplo clássico dessa visão equivocada, o trânsito.
 
Hoje vamos tratar de um outro problema social complexo, que tem sido conceituado de forma inadequada como epidemia de obesidade.
 
De fato, a obesidade, definida como IMC (índice de massa corporal) acima de 30, não para de crescer e já atinge cerca de 20% dos brasileiros. Estamos nos transformando em um país de gordinhos, pois mais da metade da população está acima do peso –nos EUA essa proporção é de assustadores 70%.
 
Porém, a obesidade é mero sintoma do problema de fundo, que apresentaremos em um minuto. É um sintoma visível, que comanda a atenção, ainda que não seja o único. O sintoma mais comum do problema é o que os médicos chamam de síndrome metabólica, que acompanha pessoas obesas, mas também muitas pessoas magras.
 
Nesse sentido, estudo recente de pesquisadores da Universidade da Carolina do Norte mostrou que 88% dos americanos têm indicadores ruins para colesterol, triglicérides e pressão arterial, entre outros marcadores da síndrome metabólica. Ausência de obesidade, portanto, nem sempre significa boa saúde.
 
Mas se a obesidade e o desarranjo metabólico são os sintomas, qual é o problema de fundo? As evidências sugerem que o problema real é o consumo de comida processada, ou o que os americanos chamam de junk food (lixo alimentício).
 
Nossas sociedades criaram verdadeiros ecossistemas da péssima alimentação, combinando produtos que são bombas de açúcar, como refrigerantes, sucos e doces industrializados, com outros que são uma mistura de carboidratos vazios e matérias-primas ultra processadas. Pense na típica e cada vez mais americanizada praça de alimentação de shopping center.
 
Robert Lustig, o professor de endocrinologia pediátrica da Universidade da Califórnia que se tornou um conhecido ativista anti-açúcar, explica em seus livros que a produção de insulina no corpo, estimulada ao extremo pela frutose (açúcar) que é usada em alimentos processados, gera um círculo vicioso permanente –a fome nunca vai embora.
 
Assim, quem engorda tende a permanecer gordo e, pior, as crianças obesas de hoje se tornam os adultos obesos de amanhã.
 
“A culpa é sua”. O problema real, então, não é a obesidade, mas o consumo de lixo alimentício e suas consequências devastadoras para a saúde pública.
 
Ao contrário do que pode estar pensando o leitor, exercícios não costumam resolver o problema. Conforme um recente editorial do British Journal of Sports Medicine, um dos mais prestigiados periódicos acadêmicos da área, é um mito a ideia de que exercícios promovem perda de peso. O que importa, no frigir dos ovos, é o que se come.
 
Para enfrentar essa epidemia é preciso buscar inspiração nas medidas adotadas nas últimas décadas para lidar com o tabagismo.  Isso significa tributar mais e restringir práticas comerciais e de comunicação.
 
De forma não surpreendente, a indústria de alimentos processados, pelo menos nos EUA, não deixa de seguir as receitas adotadas pela indústria do tabaco no século passado. Entre elas, promover narrativas que lhe convém.
 
Não nos enganemos; virtualmente todo problema social complexo envolve interesses econômicos e políticos que se beneficiam do status quo. Nesse balanço de poder, que costuma ser desfavorável ao cidadão, quem define o problema controla o repertório de soluções possíveis. A batalha, assim, ocorre no mercado de ideias.
 
Nesse mercado algumas metáforas são muito poderosas. Os defensores do status quo costumam apelar, por exemplo, para a ideia do equilíbrio, apontada pelo influente professor de marketing Gerard Zaltman como uma das mais poderosas para influenciar a mente humana.
 
Também gostam de apelar para a ideia de “livre” mercado, como se o capitalismo exigisse ignorar as externalidades causadas pelas empresas.
 
O ponto é que, ao se definir o problema como obesidade, e não como consumo de lixo alimentício, o foco convenientemente recai sobre o indivíduo, que é cobrado por não fazer exercícios e por não ter força de vontade suficiente para quebrar o círculo vicioso do metabolismo desregulado.
 
As consequências continuarão a ser nefastas, como a explosão de casos de diabetes (que já atinge 9% da população brasileira), câncer e várias outras doenças graves que diminuem a expectativa de vida da população. Em um toque adicional de crueldade, o problema costuma atingir mais os mais pobres.
 
A sociedade precisa fazer sua escolha: pagar o pesado preço em termos de gastos de saúde ou atuar decisivamente sobre o problema real, como tem feito o Chile, que restringiu propaganda, proibiu brinquedos associados com doces e aumentou a tributação sobre aquilo que comprovadamente faz mal.


Poder 360 / Hamilton Carvalho, 46 anos, estuda comportamento humano e sistemas sociais complexos. É doutor em Administração pela FEA-USP, mestre em Administração pela mesma instituição, membro da System Dynamics Society e da Behavioral Science & Policy Association.
 

Comentários (0)


Fala Santos
E-mail: contato@falasantos.com.br
© 2010 Fala Santos. Todos os direitos reservados. site criado por