Cultura e Entretenimento
15/02/2019 - 03h39

Filme 'Marighella', de Wagner Moura, estreia sob aplausos em Berlim


Cinebiografia com Seu Jorge sobre o guerrilheiro de esquerda teve sessão para imprensa nesta quinta


 
O filme brasileiro "Marighella", cinebiografia sobre o guerrilheiro de esquerda dirigida por Wagner Moura, estreou nesta quinta (14), no Festival de Berlim, sob aplausos em sua sessão de imprensa. A obra faz parte da programação principal da mostra alemã, mas não compete ao Urso de Ouro. 
 
Inspirado na biografia escrita pelo jornalista Mário Magalhães, a produção de R$ 10 milhões acompanha os últimos cinco anos de vida do protagonista. O enredo tem início com as consequências imediatas do golpe militar, em 1964, e prossegue até o assassinato do guerrilheiro, em 1969, numa operação da polícia que é um dos marcos do fim da guerrilha urbana durante a ditadura. 
 
O músico e ator Seu Jorge interpreta o personagem principal. A trama de 155 minutos de duração dá relevo à sua relação com o filho, Carlinhos, enquanto o personagem é perseguido por um policial sanguinolento interpretado por Bruno Gagliasso --referência ao delegado Sérgio Paranhos Fleury, que comandou a captura ao biografado.
 
Logo após um resumo explicar o que foi a ditadura, com menções à imprensa censurada e às torturas contra militantes, a história abre com a cena do roubo a um trem levado a cabo pela organização de esquerda ALN (Ação Libertadora Nacional). 
 
O longo plano-sequência, que perpassa os vários vagões, parece saído de algum filme de José Padilha. O excesso de cenas gravadas com câmera na mão, sobretudo nos momentos de ação, lembra muito o estilo do cineasta que dirigiu Moura em “Tropa de Elite”. 
 
A cinebiografia é fiel ao reconstruir o episódio em que o protagonista foi baleado pela polícia numa sala de cinema, o apoio à sua luta dado pelo filósofo francês Jean-Paul Sartre e até o uso de peruca por Marighella, que era motivo de troça entre seus companheiros. 
 
Entre os outros eventos históricos há a reconstrução da morte do oficial americano Charles Chandler sob ação dos guerrilheiros, que o acusavam de ter ensinado táticas de tortura aos brasileiros. São vários, aliás, os momentos em que o filme frisa o apoio que o governo dos Estados Unidos teria dado à implantação do governo militar, inclusive em seus atos mais subterrâneos. 
 
“O filme é uma manifestação de claro enfrentamento à mediocridade”, disse o diretor à Folha, antes do festival, referindo-se à situação política do país pós-impeachment de Dilma. A obra foi rodada no começo do ano passado, ainda antes da eleição de Bolsonaro. 
 
Indagado, ele afirmou que não teria feito nada diferente no filme caso soubesse que o atual presidente seria eleito. “Já vivíamos um momento conservador”, disse. 
 
“Marighella” ainda não tem previsão de estreia no Brasil. Mas reúne elementos para ser recebido no país como um libelo de esquerda, carregado até de certa discussão racial. Filho de italiano e neto de escrava, o personagem ganhou as feições de um ator negro. 
 
“Quero que traga um exemplo de resistência, sobretudo para jovens negros”, defende Moura. Essa sua intenção fica clara também quando ele opta por incluir a música “Monólogo ao Pé do Ouvido”, do Nação Zumbi, logo no começo do filme. A letra, de Chico Science, invoca Lampião, Antônio Conselheiro e Zapata. O diretor quer equiparar o guerrilheiro a essas outras figuras. “Sempre gostei da figura do rebelde”, disse. 
 
Só que esse é um rebelde com alguma brecha para nuances. São vários os trechos em que há alguma reflexão sobre a radicalidade das ações da guerrilha. Em certo momento, o personagem principal é confrontado pela mãe de uma militante, que o acusa de usar jovens incautos como escudo na luta armada. 
 
“Marighella não era bonzinho, era um radical enfrentando uma força opressora com violência semelhante à que estava submetido”, segundo Moura. 
 
Como o festival impõe um embargo e exige que críticas só sejam publicadas após as sessões de gala, só será possível conhecer a repercussão internacional do longa de Moura na tarde desta sexta (15), quando ocorre a exibição oficial. 
 
Apesar dos esforços didáticos do diretor em explicar o contexto do filme, pode pesar contra “Marighella” o fato de ser uma obra sobre um personagem pouco conhecido fora do Brasil. Dois anos atrás, o Festival de Berlim recebeu outro filme sobre uma personalidade histórica nacional, “Joaquim”. Só que essa cinebiografia sobre Tiradentes dirigida por Marcelo Gomes acabou reverberando pouco na mostra de cinema. 
 
A obra de Moura é uma das 12 produções brasileiras selecionadas para participar do festival, mas a única em sua seção principal. O novo filme de Gabriel Mascaro, a distopia neopentecostal “Divino Amor”, e o drama LGBT “Greta”, protagonizado por Marco Nanini, são alguns dos destaques.
 
 
Folhapress
 

Comentários (0)


Fala Santos
E-mail: contato@falasantos.com.br
© 2010 Fala Santos. Todos os direitos reservados. site criado por