Turismo
16/04/2019 - 02h59

Conheça a história da catedral que resistiu à guerra, mas não ao fogo


Com aproximadamente 13 milhões de visitantes por ano, Notre-Dame de Paris é o ponto turístico mais visitado da Europa
 
 
"As duas guerras mundiais pouparam a catedral, muito felizmente." Essa observação consta na história da Notre-Dame de Paris, contada em seu site oficial, no trecho dedicado ao "período contemporâneo". Muito infelizmente, nesta segunda-feira (15), a catedral que sobreviveu aos dois maiores conflitos do século 20 sucumbiu ao fogo. "Tudo está queimando; nada vai restar", declarou o porta-voz da Notre-Dame, André Finot, de acordo com a Associated Press. 
 
Assim com ocorreu com o incêndio do Museu Nacional, no Rio de Janeiro, em setembro do ano passado, a perda dessa joia arquitetônica e de seu acervo é incalculável. De acordo com o site oficial da catedral, ela recebe aproximadamente 13 milhões de visitantes por ano, vindos das mais diversas partes do mundo.
 
Estima-se que esse seja o ponto turístico mais visitado da Europa. Nos dias de maior concentração de visitanes, a catedral chega a receber 50 mil pessoas. São rezadas cinco missas por dia, de segunda a sábado, e sete aos domingos.
 
Para entrar na Catedral, o visitante deve vencer 380 degraus. A construção tem 43 metros de altura. A torre (que caiu) tinha 96 metros. E a nave tem 60 metros. 
 
A história da catedral é resumida assim, em sua página oficial: 
 
Maurice de Sully foi bispo de Paris de 1160 a 1196. Desde sua eleição, ele propõe um resposta pastoral, teológica e espiritual à profunda transformação de sua diocese pela reconstrução de uma igreja-catedral consagrada à Virgem Maria (Notre-Dame). Esse projeto está no centro de um gigantesco espaço urbano. 
 
A catedral é construída no lugar que abrigada a antiga igreja de Saint-Étienne.
 
1163 é a data apontada como sendo a da colocação da primeira pedra de Notre-Dame, na presença do Papa Alexandre III. 
 
O novo edifício se inscreve no estilo da nova arte que passará a ser chamada gótica. 
 
No século 12 e início do século 13, quatro grandes frentes de trabalho, sob a direção de quatro mestres de obras são postas em marcha. Elas se estendem de 1163 a 1182, 1182 a 1190, 1190 a 1225, 1225 a 1250. 
 
Os trabalhos continuam ao longo do século 13 e começo do século 14. 
 
Nos séculos 17 e 18, a catedral passa por modificações, como a substitição dos vitrais, a instalação de uma nova sacristia e a mudança do portal central. 
 
Durante a revolução, a torre é desmontada, 28 estátuas da galeria dos reis são destruídas e todas as grandes estátuas dos portais (exceto uma) são destruídas. 
 
Em 18 de avril de 1802, num novo contexto, a Notre-Dame é voltada para o culto católico romano. Em 1831, Victor Hugo publica "Notre-Dame de Paris" com enorme sucesso. Em 1844, o governo do rei Louis-Philippe I decreta a restauração da catedral de Paris e a cosntrução de uma sacristia. 
 
No século 20, o projeto de substituição dos vitrais da nave é tema de um amplo debate. Em 1965, a decisão da substituição é tomada. Em diversas outras ocasiões, a catedral foi submetida a intervenções de renovação (como a do órgão, entre 1990 e 1992), de limpeza (da fachada ocidental) e de remodelação do espaço interno.  
 
Em 2013, por ocasião de seus 850 anos, a catedral adotou um novo projeto museográfico para a exposição do chamado "Tesouro" conformado por suas peças sacras. 
 
Foi lançado também nesse ano (2013) o livro "Notre-Dame de Paris - La Grâce dúne Cathédrale", que repassa a história da catedral e de seu acervo, em mais de 500 páginas. 
 
 
EM Cultura
 

Comentários (0)


Fala Santos
E-mail: contato@falasantos.com.br
© 2010 Fala Santos. Todos os direitos reservados. site criado por