Entrevistas
30/12/2019 - 07h52

90% dos pedidos ao INSS já são feitos de forma remota, revela Renato Vieira


Disparada via celular e Meu INSS. Há 6 meses, eram apenas 18%. Governo facilitou o acesso.
 
Depois de 1 processo de simplificação de etapas, o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) registou uma disparada no número de requerimentos pelo celular e pelo aplicativo Meu Inss para concessão de benefícios, como aposentadorias, auxílio-maternidade e auxílio-doença.
 
Em outubro, 90% dessas solicitações foram feitas por vias remotas. Seis meses antes, em abril, eram apenas 18% –uma alta de 72 pontos percentuais.
 
“Quem imaginava que, com o tempo, a agência do INSS se tornaria residual pelo cidadão para fazer requerimento? Esse processo de transformação digital foi desenvolvido ao longo do ano e é constante”, disse o presidente da instituição, Renato Vieira, 38 anos, em entrevista ao Poder360.
 
 
“Antes, o cidadão se programava a partir do dia ou da hora que ele fosse ao INSS. Ele reservava uma tarde ou dia inteiro para cuidar daquilo –faltava ao trabalho, mudava sua rotina. Agora ele escolhe quando interagir com o INSS. Inclusive, sábados e domingos”, disse Renato.
 
 
O presidente da instituição esteve no estúdio do Poder360, em Brasília (DF), em 20 de dezembro de 2019, para fazer 1 balanço da gestão. No ano em que foi realizada a maior reforma da Previdência já feita na história do país, Renato relata que o órgão busca se modernizar para atender as demandas da população e lembra que a digitalização já começou em diversos setores da sociedade, como os bancos. “No INSS não é diferente, mas com 1 atraso de 20 anos.”
 
Hoje, a instituição conta com são cerca de 23.000 servidores, mas em franca redução. “Tivemos 1 número relevante de aposentadorias no ano de 2019. Do início do ano até hoje foram mais de 6.000 aposentadorias de servidores públicos. Se considerarmos de 2015 a 2019, foram 11.000 aposentadorias“, disse.
 
Com o quadro mais enxuto, o órgão busca alternativas. A ordem à equipe econômica de Paulo Guedes é evitar novas contratações de servidores. “O que nós temos buscado é identificar processos que podem ser simplificados, desburocratizados, e, de alguma forma, automatizados.”
 
Assista abaixo à entrevista (35min41seg):
 
 
Em janeiro, o governo editou uma medida provisória (871) com o objetivo de combater fraudes no sistema de seguridade social. “Até o presente momento, o INSS cancelou 261 mil benefícios. Isso representa uma economia de R$ 4,3 bilhões ao longo do ano. É muito expressivo. Mas o principal é a pauta corretiva”, afirmou.
 
O órgão identificou cerca de 4.000 servidores públicos recebendo BPC (Benefício de Prestação Continuada) –pago a pessoas que estão em miserabilidade financeira. “Com o cruzamento de informação, nós identificamos que eles não poderiam receber o BPC. Os valores pagos estão sendo objetos de recuperação ou de cobrança administrativa.”
 
Mas o INSS também tem alguns desafios para sanar, como o tempo de espera na concessão dos benefícios. Segundo dados de novembro, uma pessoa espera, em média, 124 dias para conseguir se aposentar. Houve uma queda em relação a julho, quando o período era de 191 dias.
 
A lei, no entanto, determina que o tempo seja de 45 dias. Questionado se é possível resolver isso em 2020, Renato respondeu de forma otimista. “Estamos a passos largos de atingir esse objetivo. É absolutamente desafiador, mas justo. O INSS volta todos seus esforços para atingir esse objetivo.”
 
Essa demora, em muitos casos, resulta em uma alta judicialização nos processos de concessão dos benefícios previdenciários. Em agosto deste ano, 1 levantamento da Advocacia Geral da União mostrou que 5,6 milhões de ações em tramitação tanto na Justiça federal quanto na estadual abrangem o INSS.
 
“Nós atingimos níveis de quase irracionalidade da judicialização do INSS. Nós estamos falando de aproximadamente 6.000 novas ações todos os dias contra o INSS. Enquanto nós conversamos ou ao longo do dia de hoje, 6.000 novas ações serão ajuizadas contra o INSS”, declarou Renato.
 
Em agosto, o Judiciário, o INSS e diversas instituições assinam 1 acordo para diminuir a judicialização. “Nosso objetivo, entre outros, é buscar quais temas em que a jurisprudência já se consolidou no sentido contrário ao entendimento administrativo do INSS.”
 
 
Renato citou 3 estratégias do INSS que começaram a ser implantadas em 2019 e devem continuar em 2020, de atendimento tempestivo, de redução de fraude e de desjudicialização.
 
“Elas começaram a ser executadas. Já estão entrando em operação, mas o objetivo é que elas se consolidem. Ou seja, se em 2019, nós conseguimos encontrar 261 mil casos com indícios de irregularidades, nosso objetivo é acelerar a identificação de casos com irregularidade e cessar os seus pagamentos”, afirmou.
 
O orçamento do INSS para 2019 é de R$ 718 bilhões, segundo Portal da Transparência. Ao todo, cerca de 35 milhões de pessoas recebem benefícios por meio do órgão.
 
Renato Rodrigues Vieira começou a comandar a instituição em 16 em janeiro de 2019, quando sua nomeação foi publicada no Diário Oficial. Ele é procurador federal da Advocacia Geral da União desde 2006.
 
Já atuou como subprocurador-regional federal da 1ª Região (2008 a 2010), procurador-regional Federal da 5ª Região (2010 a 2013), subprocurador-geral Federal (2013 a 2015), procurador-geral federal (2015 a 2016) e foi assessor especial da Casa Civil da Presidência da República no governo Temer (2016 a 2019).
 
Abaixo, leia trechos da entrevista ao Poder360:
 
Que nota daria à sua gestão?
 
É uma pergunta complexa. Existem algumas métricas que podem ser dadas. Para o esforço da nova gestão do INSS, da equipe, do quadro de pessoal, não pode ser inferior a 10. O esforço foi imenso. Todos nos desdobramos para desempenhar o nosso papel da melhor forma. Foi 1 ano de muitos desafios. Com muitas aposentadorias e ainda assim os servidores se multiplicaram. Em alguns momentos, nós nos questionamos se tivemos redução de quadro diante do aumento de produtividade dos servidores. A nota para os servidores não poderia ser diferente. O trabalho dos servidores reflete 1 pouco o resultado da gestão.
 
Quantos servidores trabalham no INSS?
 
Hoje são cerca de 23.000 servidores. No início do ano eram 6.000 servidores a mais, estamos falando de 29.000. 
 
O que mudou?
 
Aposentadorias. Tivemos 1 número relevante de aposentadorias no ano de 2019. Do início do ano até hoje foram mais de 6.000 aposentadorias de servidores públicos. Se considerarmos de 2015 a 2019, foram 11.000 aposentadorias.
 
E para poder recompor esse quadro, o INSS irá fazer concurso público no próximo ano?
 
Não há perspectiva de curto prazo para realização de concurso público. Essa é a solução natural. É sempre a solução esperada. Mas é preciso que os órgãos, não apenas o INSS, façam 1 trabalho reflexivo se de fato essa solução é a mais sustentável, é definitiva, é perene –embora seja a mais fácil. Precisamos fazer 1 processo crítico para identificar quais processos podem ser melhorados. Quais são os processos que podem ser desburocratizados e consequentemente prescindir, de certa forma, da presença de 1 servidor em todas as etapas do processo de trabalho. Exigir a presença física dos servidores em todas as etapas –das mais simples as mais complexas, daquelas que podem ser automatizadas– não me parece inteligente. O servidor do INSS, com a qualificação que tem, deve se dedicar à atividade que lhe é típica –o senso crítico, a inteligência na análise dos requisitos na concessão ou no deferimento e indeferimento. Isso exige muito do servidor. Mas na medida que você coloca o servidor para digitalizar documentos, coloca simplesmente para autenticar documentos, coloca para fazer atividades absolutamente acessórias ao serviço que se espera dele, isso não é inteligente sob o ponto de vista da gestão. O que nós temos buscado é identificar processos que podem ser simplificados, desburocratizados, e, de alguma forma, automatizados.
 
O senhor trouxe alguns números sobre a gestão do INSS. Pode apresentar?
 
Foi 1 ano de muita transformação no INSS. Em todos os aspectos, de formação cultural, institucional e digital. Um ano que exigiu do INSS pensar diferente, exatamente por conta das aposentadorias e das exigências da sociedade, que quer ter serviços melhores e mais eficientes. A digitalização já aconteceu em diversos ambientes da sociedade. Vamos lembrar dos bancos, que passaram por muitos processos de transformação há 20 anos. Todos eram atendidos na boca do caixa. Ao longo do tempo, com a implantação dos caixas de autoatendimento, as pessoas tiveram dificuldade. Os bancos implantaram monitores para ajudar o cidadão. Com o tempo, os monitores saíram e entraram os aplicativos. Outros preferem o caixa eletrônico e outros preferem o atendimento analógico –cada vez menor. No INSS não é diferente, mas com 1 atraso de 20 anos. Iniciamos esse processo de transformação digital do atendimento do INSS. Em abril de 2019, praticamente todos os requerimentos eram feitos nas agências do INSS. Ou seja, feitos de forma presencial. Houve 1 processo de transformação ao longo de 2019. O meu INSS se tornou em alguns meses o canal mais buscado pelo cidadão para fazer requerimentos de aposentadoria. Não é uma simples consulta, é efetivamente fazer requerimento. Em seguida vem o telefone. Quem imaginava que, com o tempo, a agência do INSS se tornaria residual pelo cidadão para fazer requerimento? Esse processo de transformação digital foi desenvolvido ao longo do ano e é constante –continua sendo desenvolvido e aperfeiçoado.
 
Então as pessoas estão usando mais o telefone e o aplicativo, o quadro se inverteu?
 
Agora, no final do ano, 90% dos requerimentos recebidos pelo INSS [são via app e telefone]. Nós estamos falando de uma ordem de 900 mil requerimentos por mês.
 
O que o governo fez para isso?
 
Priorização. Não havia possibilidade de fazer a grande parte dos requerimentos pelo INSS e pelo 135 –que eram canais para consultas e para orientação. Nós transformamos radicalmente esses canais. A mudança mais radical foi a simplificação das etapas. Antes, o segurado ligava para o 135 para pedir uma data e 1 local onde ele pudesse fazer o requerimento. Hoje, quando ele liga para o 135, ele não pede uma data e 1 local para fazer o requerimento, faz ali mesmo. Nós tiramos a etapa do agendamento para o comparecimento presencial na agência. Hoje 90% dos requerimentos já foram feitos de forma remota e apenas 10% foram feitos de forma presencial para aqueles que optaram. O próximo quadro detalha 1 pouco o Meu INSS. É 1 campeão de aquisições nas lojas de aplicativos de celular. Nós temos 1 número de visitas diárias no aplicativo absolutamente surpreendente. Nós estamos falando de 657 mil visitas diárias para fazer alguma transação, consulta ou requerimento. Esse número é assustador.
 
 
O que as pessoas podem consultar dentro do aplicativo?
 
Absolutamente tudo. O INSS tem 96 serviços que presta ao cidadão. Que tipo de serviços são esses? Requerimento de aposentadoria por idade, requerimento de pensão por morte, salário maternidade, consulta ao extrato do benefício, uma alteração de dado, uma série de situações que o cidadão pode solicitar ao INSS. No ano de 2019 nós transformamos 90 desses 96 em digitais. O que isso quer dizer? Aquele requerimento de pensão por morte que era preciso se fazer numa agência do INSS agora pode-se fazer pelo meu INSS. Aquele extrato, simples, de conferência para saber o valor dos benefícios, para conseguir empréstimo consignado, cópia do extrato de benefício dele –e esse é 1 dos maiores volumes no atendimento presencial nas agências, é o cidadão que vai na agência para pegar cópia do extrato. O extrato está disponível no meu INSS. É uma ferramenta muito buscada pelo cidadão. Todos esses serviços estão disponíveis no Meu INSS. Mas o dado que melhor reflete esse processo de transformação cultural e digital são os horários em que o cidadão segurado faz no aplicativo Meu INSS. Antes, o cidadão se programava a partir do dia ou da hora que ele fosse ao INSS. Ele reservava uma tarde ou dia inteiro para cuidar daquilo –faltava ao trabalho, mudava sua rotina. Agora ele escolhe quando interagir com o INSS. Inclusive, sábados e domingos.
 
Qual o horário agora?
 
Funciona durante 24 horas.
 
Qual o horário que as pessoas mais acessam?
 
Durante o dia, a partir das 10 horas até às 18 horas, são os horários que as pessoas mais acessam o Meu INSS. Também muito durante a madrugada. As 24 horas do dia o Meu INSS está sendo acessado. O INSS no início do ano de 2019 se planejou a luz de 1 diagnóstico muito claro que pode ser dividido em 3 partes. Havia 1 diagnóstico de atraso na concessão de benefícios, e ainda há. O INSS precisava melhorar sua capacidade de resposta, aumentar sua velocidade na análise dos requerimentos.
 
O 2ª diagnóstico feito no início do ano era as fraudes, a insegurança, a instabilidade que o próprio INSS tinha em conceder e manter benefícios que tinham algum tipo de irregularidade.
 
No início do ano o governo editou medida provisória chamada MP do Pente Fino do INSS. O que mudou após isso?
 
Na época, os órgãos de controle apontavam que cerca de 3 milhões de processos no INSS tinham algum tipo de irregularidade –a luz das operações da força tarefa previdenciária, da CGU, TCU, do próprio controle interno do INSS. E, ao longo do ano de 2019, em execução, inclusive, da medida provisória 87, o INSS adotou uma série de medidas para identificar esses casos. Entender se de fato eram irregulares ou não. Até o presente momento, o INSS cancelou 261 mil benefícios. Isso representa uma economia de R$ 4,3 bilhões ao longo do ano. É muito expressivo. Mas o principal é a pauta corretiva. Eram 261 mil benefícios pagos a quem não tinha direito, que de fato eram irregulares. Então esses benefícios já foram cancelados. Em todos os procedimentos necessários, a recuperação dos valores está sendo adotadas.
 
Por exemplo, se a pessoa recebia 1 auxílio-maternidade e não tinha direito, o governo entra na Justiça contra ela?
 
Para uma pessoa que recebe o benefício de maneira indevida, 3 atuações devem acontecer. A 1ª delas é o cancelamento do benefício –respeitando o contraditório, a ampla defesa. A 2ª medida é a cobrança, inicialmente administrativa, de tudo que se pagou de maneira indevida. Se essa cobrança não for bem-sucedida na esfera administrativa, ela é inscrita em dívida ativa e executada judicialmente. A 3ª medida é, se configurar crime ou indícios de cometimento de crime, esse processo é enviado à Polícia Federal ou ao Ministério Público Federal. O principal aliado de qualquer projeto de combate à fraude ou de aumento de integridade no pagamento de benefícios sociais, seja previdenciário ou de outra natureza, é o cruzamento de informação. Esse é o maior aliado. Com o cruzamento de informações, o governo consegue identificar que existem cidadãos com determinados cadastros, com determinado perfil, que acessam a determinados serviços e que não poderiam acessar 1 conjunto de outros benefícios. O melhor exemplo são os servidores públicos que foram identificados no pente-fino do INSS que estavam recebendo BPC (Benefício de Prestação Continuada), o benefício pago a pessoas que estão em miserabilidade financeira. São servidores públicos de alta renda, de R$ 12.000, R$ 15.000 e alguns R$ 18.000, e estavam recebendo há 10, 20 anos os benefícios assistenciais. Com o cruzamento de informação, e foi nesse ponto que conseguimos identificar esse grupo de servidores, nós identificamos que eles não poderiam receber o BPC. Os valores pagos estão sendo objetos de recuperação ou de cobrança administrativa.
 
Em agosto deste ano, Judiciário, governo e INSS assinam acordo para diminuir processos judiciais. Um levantamento da Advocacia Geral da União), aponta 5,6 milhões de processos abrangem o INSS. O que já foi feito após esse trato?
 
É uma excelente pergunta porque ela complementa uma conversa que nós iniciamos alguns minutos atrás. Ao lado do atendimento tempestivo das fraudes, o 3º tripé desse diagnóstico feito em janeiro era a judicialização da Previdência. Nós atingimos níveis de quase irracionalidade da judicialização do INSS. Nós estamos falando de aproximadamente 6.000 novas ações todos os dias contra o INSS. Enquanto nós conversamos ou ao longo do dia de hoje, 6.000 novas ações serão ajuizadas contra o INSS. Desse universo, aproximadamente 65% não há qualquer alteração da decisão administrativa do INSS. Ou seja, o INSS é vitorioso em cerca de 60%, 65% de todos os processos ajuizados contra o órgão. Isso demonstra que o maior volume de decisões é favorável ao INSS. Mas o fato é que há uma gama relevante de processos que não. Cerca de 15%, 20% das decisões são desfavoráveis ao INSS. E cerca de 20% dos processos é finalizado com acordos judiciais. A Estratégia Nacional de Desjudicialização foi firmada com o INSS em conjunto com o Conselho Nacional de Justiça, Conselho da Justiça Federal, Advocacia Geral da União, Defensoria Pública da União e Secretaria de Previdência na busca de 1 esforço integrado de todos esses órgãos para diminuir a judicialização da Previdência. Diminuir a judicialização é respeito ao cidadão –na medida em que o Estado para de mitigar naquelas situações em que o cidadão tenha direito. Nosso objetivo, entre outros, é buscar quais temas em que a jurisprudência já se consolidou no sentido contrário ao entendimento administrativo do INSS. O INSS continua indeferindo e a Justiça continua concedendo. Existem casos mais extremos. Onde o INSS continua indeferindo, a Advocacia Geral da União –que defende o INSS em juízo– sequer contesta porque reconhece a procedência daquele pedido e a Justiça naturalmente concede. Isso não é racional. O INSS indefere para invariavelmente o benefício ser concedido na Justiça. Entretanto, no INSS o custo de tramitação de 1 processo administrativo é de R$ 800. Na Justiça é de R$ 4.000. O ‘custo Justiça’ para acompanhar demandas previdenciárias já passa de R$ 4,5 bilhões por ano. Diminuição da judicialização é tratar o cidadão com respeito, aumentar a velocidade do reconhecimento do seu direito e diminuir custos para o Estado. Esse é o nosso principal objetivo na Estratégia Nacional de Desjudicialização.
 
Uma das metas para 2020 é diminuir esse número de 5,6 milhões de processos?
 
Essa não é uma meta não apenas para o próximo ano, mas uma meta perene no INSS. É diminuir judicialização. Já no início do próximo ano nós pretendemos anunciar alguns dos primeiros resultados dessa estratégia nacional de desjudicialização.
 
Muitos desses processos são relacionados à demora do INSS em conceder alguns benefícios. Qual o tempo atual que o INSS demora para conceder uma aposentadoria?
 
O tempo médio de espera por 1 benefício previdenciário no INSS está na casa dos 58 dias, segundo dados de novembro de 2019. O de aposentadorias no mês de julho era de 191 dias, caiu para 124 dias. O de auxílios caíram de 124 dias para 64 dias. Salário maternidade caiu para 19 dias. Há uma melhora constante, gradativa, nessa velocidade. Isso tem sido percebido pelo cidadão. Esse é o tempo médio. Existe casos com atraso 1 pouco maior do que esse. O fato é que muitos dos atrasos decorrem da falta de complementação de informações pelo cidadão. O cidadão faz o requerimento ao INSS, mas, analisando o benefício, o servidor percebe que alguns documentos precisam ser complementados no processo administrativo para saber se a pessoa tem ou não direito –sob a pena de o pedido ser simplesmente indeferido. É uma 2ª chance. O servidor pede para que ele junte uma determinada certidão, uma nota fiscal, alguma coisa que comprove a situação em que o segurado da Previdência se coloca quando ele faz 1 requerimento. Muitas vezes a demora decorre dessa complementação do documento. Isso não isenta o INSS, muito pelo contrário, é preciso que se aumente a produtividade. Sobre produtividade, o INSS no ano de 2019 elevou substancialmente sua capacidade de decisão. Esse foi o principal resultado dessa diminuição de tempo. O INSS tem conseguido decidir de forma mais rápida.
 
A lei determina que o tempo de concessão de aposentadorias seja de 45 dias. Nesse ritmo, quando que o INSS vai chegar nesse número?
 
Estamos a passos largos de atingir esse objetivo. É absolutamente desafiador, mas justo. O INSS volta todos seus esforços para atingir esse objetivo. O INSS tem conseguido avançar em 1 ritmo bastante surpreendente. O melhor dado que pode ser demonstrado é o número de decisões que o INSS profere todos os meses. No início do ano decidia 655 mil processos no mês e agora no final do ano em outubro 977 mil decisões de deferimento ou de indeferimento em 1 único mês. Perceba que houve 1 aumento sustentável da produtividade. Isso que nos dá a garantia de que o tempo de espera só vai cair. O atendimento só vai melhor. Há essa expectativa. Eu tenho certeza que em 2020 será ainda melhor que essa parte final de 2019 porque nossos processos estão se estruturando para isso. O aumento de produtividade decorre de alguns processos que vão perpetuar. A especialização das equipes é uma dessas propostas. O servidor do INSS é 1 enorme qualificado clínico geral. Ele cuidava de praticamente tudo. Ele concedia 1 benefício de pensão por morte, de auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez. O que fizemos em 2019? Separamos as equipes. Um grupo de servidores cuida só de auxílio-doença, outro de apenas aposentadoria por idade. Outro de apenas de certidão por tempo de contribuição. O que isso faz? Aumenta a velocidade na análise, a especialização do servidor, ou seja, as decisões ficam mais qualificadas. Isso resulta na redução da judicialização e aumenta a segurança do servidor no processo de decisão –diminuindo o erro administrativo. São vários benefícios da especialização da profissão. Uma medida simples que gera 1 efeito prático e imediato. 
 
Após a aprovação da reforma da Previdência pelo Congresso, como o INSS está se preparando para atualização do sistema de concessão de aposentadorias?
 
Nós estamos de falando da emenda constitucional 113, a mais profunda reforma da Previdência que se há notícia no país. Foram alteradas praticamente todas as regras do regime previdenciário, de acesso, de idade, de alíquotas, de transição, de cálculo, de benefícios. Um conjunto de regras foi alterado. Não é feito de forma manual, artesanal, na ponta do lápis pelo servidor. Os sistemas calculam isso. Então os sistemas, naturalmente, precisam ser todos ajustados a esse conjunto bastante profundo de regras que foram alteradas na reforma da Previdência. Isso tem sido feito. Uma força-tarefa formada por servidores do INSS, da Secretaria de Previdência, do DataPrev têm se debruçado com dedicação exclusiva para ajustar para cada regra do sistema alterado pela reforma da Previdência. Muitas já foram adaptadas e estão em perfeita operação. O benefício mais requerido ao INSS é o auxílio-doença, por exemplo, que é aquela decorrência de uma incapacidade temporária do segurado. Esse benefício já está inteiramente adaptado às novas regras e está sendo processado naturalmente.
 
Aliás, com a aprovação da reforma, houve 1 pico de pedido de aposentadorias?
 
Houve enormes picos. Ocorreram, e isso não é coincidência, nos meses de julho e novembro. Em julho, quando a reforma da Previdência foi aprovada na Câmara dos Deputados e, em novembro, quando foi aprovada em definitivo no Senado e promulgada. Nas vésperas da promulgação, o INSS identificou mais do que o dobro de requerimentos em 1 único dia. Os requerimentos administrativos que o INSS recebe por dia está na ordem de 20.000 –além dos benefícios por incapacidade. Nós identificamos que nos dias que antecederam a promulgação tivemos mais 40.000 requerimentos em 1 único dia. 
 
Um dos números que vem registrando queda é o de beneficiários do auxílio-reclusão. Há alguma novidade?
 
Houve de fato uma queda bastante significativa do número de auxílios-reclusão pagos pelo INSS desde o início do ano. Comparando o mês de janeiro, que era estável em anos anteriores, com o mês de novembro houve uma queda de 29% do número de benefícios mantidos a título do auxílio-reclusão. Havia 1 estoque de benefícios em manutenção na ordem de 46.000 mantidos e pagos pelo INSS. No mês de novembro, nós chegamos ao piso da marca histórica de 33.000 benefícios mantidos. De fato, houve uma queda bastante substancial do número de auxílios-reclusão pagos pelo INSS.
 
Quais as expectativas para o próximo ano?
 
As nossas principais expectativas é a consolidação de todos os projetos desenvolvidos ao longo de 2019, que foi 1 ano de muito planejamento, mas também de execução. Foram montadas 3 estratégias no INSS, de atendimento tempestivo, redução de fraude e desjudicialização. Elas começaram a ser executadas. Já estão entrando em operação, mas o objetivo é que elas se consolidem. Ou seja, se em 2019, nós conseguimos encontrar 261 mil casos com indícios de irregularidades, nosso objetivo é acelerar a identificação de casos com irregularidade e cessar os seus pagamentos. Nós estamos iniciando agora 1 processo de notificação de 1,8 milhão de beneficiários com algum tipo de inconsistência. Desses, a maior parte confirmará a regularidade de benefícios –decorre de problemas cadastrais. Mas uma outra parte não, haverá identificação de irregularidades. O atendimento tempestivo é continuar com essa linha de queda do tempo de espera na concessão de benefícios, melhorar os nossos fluxos, é atender melhor o cidadão. Nosso 3º tripé é cada vez mais internalizar entendimentos jurisprudenciais, diminuir a judicialização, qualificar as decisões administrativas e ter 1 relacionamento menos litigioso com a sociedade.
 
 
Poder 360
 

Comentários (0)


Fala Santos
E-mail: contato@falasantos.com.br
© 2010 Fala Santos. Todos os direitos reservados. site criado por