Política
06/01/2020 - 08h13

Um ano de luta no Congresso pelo direito das mulheres


Não abro mão de lutar contra a violência doméstica, desigualdades sociais e outras injustiças


 
Tenho um compromisso de vida com o direito das mulheres. Não abro mão de lutar contra a violência doméstica, desigualdades sociais e outras injustiças. 
 
Em 2019, tive a satisfação de ver um projeto que sou coautora, junto com o deputado Alessandro Molon, ser aprovado por unanimidade pelo Senado. Nossa proposta foi sancionada pelo presidente e tornou mais rígida a Lei Maria da Penha (n°11.340/06).
 
Hoje, logo após a ocorrência de violência contra a mulher, as autoridades policiais devem verificar se o agressor possui registro de porte ou posse de arma. 
 
O juiz responsável pelo caso terá 48 horas para ordenar a apreensão do artefato. Além disso, a instituição que concedeu o registro ou emitiu o porte do armamento deve ser notificada. Assim, reduzimos o risco de um feminicídio. 
 
Também protocolei na Câmara dos Deputados um projeto de lei nesse sentido. A ideia é que o programa da Polícia Civil do Estado de São Paulo “Homem Sim, Consciente Também” se torne política pública em todo o país e seja implantado nas Delegacias da Mulher. 
 
O programa oferece tratamento e atendimento psicológico para homens que são acusados de qualquer tipo de intimidação ou agressão às mulheres, mesmo que suas companheiras não tenham feito uma queixa formal. Aqui na Baixada Santista, o programa já acontece nas cidades de Santos e Cubatão.
 
O trabalho consiste em grupos de conversa com homens com histórico de agressão às companheiras, esposas e/ou filhos, independentemente de abertura ou não de inquérito. Basta um vizinho ou um familiar denunciar o agressor e ele passa a ser monitorado e é convidado a fazer parte do projeto. 
 
Um pleito antigo da nossa região em que também estou empenhada é a instalação de uma Unidade Especializada em Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher. 
 
Já fizemos o pedido ao Desembargador Presidente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJSP), junto com o diretor do Fórum de Santos, Valdir Marinho e a coordenadora de Políticas para a Mulher da Prefeitura de Santos, Diná Ferreira Oliveira.
 
O desembargador autorizou a instalação de uma Unidade Especializada em Santos. Com o equipamento, os casos serão resolvidos mais rapidamente, dando maior segurança para as mulheres vítimas de violência.
 
Por enquanto, apenas a cidade de Santos terá uma unidade especializada implantada na região, mas trabalharei para que outras cidades da Baixada Santista possam contar com esse benefício.
 
Como titular da Comissão Externa destinada a acompanhar os casos de violência contra a mulher no Brasil, vejo com preocupação os elevados níveis de violência e feminicídio que tem acontecido no Brasil e na Baixada Santista.
 
Por isso, acredito que temos a necessidade de aperfeiçoar o atendimento a essas vítimas, para oferecer apoio e um acolhimento qualificado para todas as mulheres.
 
Quero também aproximar as mulheres da política e das decisões comunitárias. Por isso, fiz dezenas de reuniões na Baixada Santista, Litoral e Vale do Ribeira para estimular a participação feminina em cargos de liderança. Neste ano, o trabalho continua. Meu objetivo é ver mais mulheres protagonistas em nossa região.
 
 
A Tribuna On-line / Rosana Valle, deputada federal (PSB/SP), jornalista e escritora. Foi repórter da TV Tribuna por 25 anos e por 18 apresentadora e editora do programa Rota do Sol. Já fez reportagens em mais de 30 países e é autora de dois livros sobre o turismo regional e internacional. Rosana iniciou seu mandato em 2019 e é membro titular das Comissões de Viação e Transportes e Direito das Mulheres.
 

Comentários (0)


Fala Santos
E-mail: contato@falasantos.com.br
© 2010 Fala Santos. Todos os direitos reservados. site criado por