Cultura e Entretenimento
03/08/2012 - 06h36

A pior lista de todos os tempos




Michel Teló é maior que Chico Buarque. Dedé, zagueiro do Vasco, é maior que Garrincha. Tiririca é maior que Drummond. Gugu Liberato é maior que Monteiro Lobato.

Eis alguns resultados, citados de forma aleatória, de uma enquete promovida pelo SBT. A lista contém cem nomes e está sendo apresentada num programa chamado "O Maior Brasileiro de Todos os Tempos".
 
Trata-se de uma dessas ideias que, à primeira vista, parecem ótimas, mas cuja realização e resultado mostram o tamanho do buraco em que a televisão brasileira está enfiada.
 
O SBT se inspirou e, algo notável, deu crédito a uma ideia da BBC, o programa "Great Britons", exibido em 2002. Eis a primeira lição: o selo de qualidade da emissora britânica não é garantia de nada.
 
Durante meses, uma enquete ficou disponível no site do SBT. O eleitor podia indicar o nome de sua preferência, desde que não fosse de alguém do elenco da própria emissora ou personagem de ficção.
 
Por estas duas restrições, já dá para sentir o tamanho do problema. Silvio Santos não apenas temia ser eleito "O Maior Brasileiro" como receava os milhares de votos que o Bozo poderia receber.
 
A emissora informa que recebeu cerca de 1,3 milhão de votos. Quase mil nomes foram indicados para chegar numa lista dos cem mais.
 
Segunda lição: enquete de internet não tem valor científico e não deve ser levada muito a sério. Alheio a isto, o SBT não teve vergonha de exibir, com toda pompa, o resultado da sua pesquisa.
 
Nos primeiros três programas da série, o jornalista Carlos Nascimento apresentou o bizarro Top 100, que exibe nomes como os de Roberto Justus (96º lugar), Lua Blanco (71º), Reynaldo Gianecchini (65º), Xuxa (40º), Rodrigo Faro (39º) e Luciano Huck (35º).
 
Sujeita à influência dos mais variados grupos de interesse, a lista apresenta 15 líderes ou ícones religiosos. Dois deles, Chico Xavier e Irmã Dulce, estão entre os 12 finalistas do ranking.
 
Entre outros, também aparecem Edir Macedo (13º), Silas Malafaia (26º), Valdemiro Santiago (36º), R.R. Soares (54º) e Marcelo Rossi (60º), figuras conhecidas por seus negócios e programas de televisão.
 
Convencido da seriedade de sua missão, Carlos Nascimento apresentou os cem nomes distribuindo adjetivos edificantes e aulas de história, além de uma ou outra explicação metodológica: "O povo votou em quem admira", advertiu.
 
Terceira lição: jornalistas emprestam credibilidade a programas de entretenimento sob o preço de, em troca, eventualmente se expor ao ridículo. Que o digam, entre outros, Fátima Bernardes, Pedro Bial e Britto Jr.
 
Depois de três episódios, "O Maior Brasileiro de Todos os Tempos" entra agora numa fase, definida por sorteio, que os esportistas chamam de "mata-mata": Chico Xavier x Irmã Dulce; Lula x Ayrton Senna; Tiradentes x Santos Dumont; JK x Pelé; princesa Isabel x FHC; Niemeyer x Getúlio Vargas. As disputas serão resolvidas pelo voto do público, em estilo "você decide".
 
Quarta e última lição sobre "O Maior Brasileiro de Todos os Tempos": quando uma ideia soa boa demais, convém avaliá-la com atenção redobrada.






Mauricio Stycer

Jornalista